05 MOTIVOS PARA AMAR HOMEM-ARANHA: A SÉRIE ANIMADA (1994)

O amigão da vizinhança todo mundo conhece, não é mesmo? O cara é tipo o Batman da Marvel. Animação nova? Vamos de Homem-Aranha. Filme novo? Vamos de Homem-Aranha. Jogo novo? Vamos de quem? Claro, Homem-Aranha (risos). São mais ou menos 10 filmes, 8 animações, 2 séries live-action e 34 jogos em que temos a presença, principal ou secundária, do nosso querido herói. E olha que esses números foram obtidos com uma pesquisa bem superficial. Com certeza existem mais coisas por aí.

Uma das adaptações que mais me marcou com certeza foi a série animada Spider-Man: The animated Series (conhecida no Brasil apenas como Homem-Aranha). A série foi lançada em 1994 e durou até 1998, contando com 65 episódios distribuídos em 5 temporadas. Nesse post vou listar 05 motivos que me fazem crer que essa é uma das melhores adaptações do personagem.

1. Peter Parker/Homem-Aranha não para de falar

Talvez uma das características mais marcantes do cabeça de teia seja sua capacidade de falar o tempo todo. Seja balançando por Nova York ou lutando contra algum criminoso, o teioso sempre está lá com suas piadas sarcásticas, pronto para tirar o inimigo do sério e nos fazer rir. Nessa animação esse detalhe foi usado com rigor. Em muitos momentos essa característica serve como recurso de narrativa para entendermos o que o aracnídeo está pensando (como se estivéssemos lendo um balão de pensamento dos quadrinhos).

2. Sagas famosas e diversos vilões dos quadrinhos

O ritmo da série é frenético e os enredos que as temporadas assumem não nos deixam cair em tédio. Arcos famosos dos quadrinhos foram adaptados como, por exemplo, Guerras Secretas. Além disso, muitos vilões (sério, muitos mesmo!) foram introduzidos ao longo dos 5 anos. O Sexteto Sinistro, o Duende Verde, o Duende Macabro, o Venom e o Carnificina foram só alguns dos inimigos que o aracnídeo precisou enfrentar.

3. Apresentou vários personagens da Marvel

Seguindo a mesma linha dos vilões, heróis e anti heróis também ganharam seus 15 minutos de fama na televisão. Inclusive, para muitos deles, a série foi a porta de entrada no imaginário de muitas pessoas. Personagens como Blade, Justiceiro e um dos meus preferidos, Demolidor, ganharam mais destaque na época e, eventualmente, tiveram suas aventuras no mundo dos live action também.

4. Era humilde o suficiente para aprender e evoluir

Se tem uma coisa que o “Miranha” fazia nessa série era apanhar da vida (risos). Não uma, nem duas e nem três, mas em muitos momentos. Em temporadas diferentes e através de personagens aliados, o Homem-Aranha constantemente era forçado a se reinventar perante as dificuldades e encontrar forças para continuar sua luta contra o mal. Na 3ª temporada, episódios 2 e 3, o amigão da vizinha aprendeu com uma criança chamada Taina a importância da figura do Homem-Aranha para o mundo. E isso ocorreu bem quando ele passava por uma crise de fé em si mesmo. Visitando essa moça, ele relembrou que com grandes poderes vêm grandes responsabilidades. Observação importante: a Taina se autointitulava “a maior fã do Homem-Aranha” e gostava do fato do herói nunca desistir. Ela, inclusive, vivia num centro para doentes terminais e se espelhava nessa característica dele.

5. Ele nunca deu um soco em ninguém

Se já não bastasse encarar inimigos extremamente poderosos, imagine vencer sem dar um único soco no vilão. Pois é, ele fez isso! A animação foi produzida pela Marvel Films Animation, que era dirigida por Avi Arad. Na época, ele pretendia que a série fosse “um grande comercial de brinquedo” e, por isso, precisava ser a mais politicamente correta possível. Há também notícias de que a Fox estava enfrentando complicações judiciais por conta do nível de violência em seus programas infantis. Com esses motivos na mente, a animação foi censurada e nenhum personagem podia dar socos. Detalhe: chutes, empurrões e outros golpes eram permitidos. Enfim, a hipocrisia (risos).

Escrevi esse texto pensando na criança que cresceu nos anos 90 assistindo um personagem engraçado, responsável e que sempre foi “gente como a gente”. Deixo o convite para que você veja, ou reveja, essa fantástica animação. Algumas CGIs utilizadas estão datadas, é claro. Afinal, já são quase 30 anos. Mas, não é nada que vai prejudicar sua experiência. Vão na fé, amigos(as)!

Abraço do Sensei.